Prefeituras fecham no dia 24 em protesto contra a crise financeira na Paraíba

Segundo o presidente da Federação das associações de municípios da Paraíba (FAMUP), Tota Guedes, os prefeitos reclamam da queda no repasse do Fundo de Participação dos Municípios


Prefeitos e secretários municipais da Paraíba vão aderir a uma manifestação que deve paralisar os serviços de administração das prefeituras no dia 24 deste mês. A queixa dos prefeitos seria a queda das receitas e o aumento das despesas, fato que estaria levando os municípios a graves problemas financeiros. Uma audiência pública para discutir a crise também vai ocorrer na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

Segundo o presidente da Federação das Associações de Municípios da Paraíba (FAMUP), Tota Guedes, os prefeitos reclamam da queda no repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

“Estivemos reunidos e marcamos essa mobilização para o dia 24. Alguns prefeitos acham por bem não fechar as prefeituras, mas outros vão fechar, mantendo apenas os serviços essenciais. A sociedade precisa saber das dificuldades que as prefeituras estão passando por conta do aumento de gastos e queda nas receitas, já que muitos municípios têm no FPM a principal fonte de recursos. As perspectivas para o futuro não são nada animadores para esses municípios”, afirmou Tota Guedes.

Também no dia 24, vai ser realizada uma audiência pública na ALPB para discutir a crise financeira que atinge os municípios paraibanos. Os prefeitos vão buscar o apoio dos deputados estaduais.

Ainda segundo Tota Guedes, os prefeitos de Sousa, Nova Palmeira, Frei Martinho, entre outros administradores já confirmaram que as prefeituras vão ser fechadas no dia da mobilização.

“Entramos em contato com a maioria dos prefeitos e eles garantiram presença na mobilização e na audiência pública, já que o tema é de extrema importância para a sobrevivência financeira dos municípios paraibanos. Os prefeitos de João Pessoa [Luciano Cartaxo] e de Campina Grande [PSDB] ainda não foram contatados, já que esses municípios possuem outras fontes de recursos e não dependem muito do FPM para sobreviverem, mas o convite é extensivo a eles”, concluiu Tota Guedes.



Correio
Compartilhar Google Plus

Autor Radio Cenecista - FM 89.9 Picui PB

Postar um comentário